Aonde vamos parar?

Somos sim, usando o palavreado das diversas “redes”- seguidores! Seguimos e seguimos uma inversão de valores e de virtudes, implantada por uma “força superior”! O pior de tudo é que essa força é, sem sombra de dúvida, só do mal.

       Meu Deus, tentei de novo registrar meu protesto e, dado os meus parcos conhecimentos sobre a tal “rede”, nem sei ver se meu comentário foi enviado, lido, ou sei-lá-o-quê.

            Os ETs são burros que dói e, no entanto, têm “seguidores”! Essa lei dos domésticos é de tamanha aberração e, foi tão engendrada que se eu abrir a boca/escrever na rede, serão 6 milhões caindo de pau em cima de mim. Mas, que é absurda e um incentivo a falta de educação é!

               (Quem sabe que eu escrevendo, eu melhoro; ou, quem sabe, do jeito que os ETs estão no domínio tecnológico, eles lêem e ficam alegres, por serem tão burros!). Sintam só, oh, seres que “se acham”: pra ser doméstica não precisa nem saber ler; correto? Pra trabalhar num fábrica qualquer, ou até no manuseio de um trator, você tem que saber ler, certo? Quem precisa de empregada doméstica é, principalmente a classe média, certo? Daí, a maioria dos empregos públicos honestos,  a jornada de trabalho é de oito horas, certo? Então, o casal sai pra trabalhar antes das oito, de carro ou de ônibus/metrô, às 6 horas da manhã pra pegar um trânsito mais ou menos e chegar no horário no trabalho, certo? Daí, eles só podem sair, quando a empregada doméstica chegar, ou seja, ela tem que chegar, “estourando” 15 para as seis, certo? Daí começa a contar a jornada dela que é, TAMBÉM, de oito horas diárias, de segunda a sexta, mais 4 no dia de sábado, certo? Ora, o casal saiu, chegou no serviço às oito e, a doméstica, já está com duas horas de jornada na frente, certo? Daí, o casal não vem almoçar em casa, porque o trânsito não deixa e, come “por lá” mesmo. A doméstica, por sua vez, sem ninguém pra chefiar, “resolve em comum acordo com a patroa” que fará só meia hora de almoço; ela faz o almocinho dela, come bem sossegada e o tempo correndo, certo? Daí, o casal trabalha mais 4 horas à tarde e sai do serviço às 18 horas, certo? Oito horas são oito horas em qualquer lugar do Brasil, certo? Ora, se a empregada entrou/”registrou o ponto(absurdo!) às seis da manhã e só fez meia hora de almoço, a que horas a jornada dela completa oito horas? Salvo algum engano, às 14:30 horas! Ou seja, a patroa bobona vai implorar para a doméstica esperá-la pra sair; a patroa vai chegar com a língua de fora, às oito da noite e no mole, mole, vai “amargar” 5 horas e meia de hora-extra pra pagar para a empregada! Quero ser doméstica! Se for só com o salário mínimo, vou ganhar muito mais que a minha suposta patroa! Por quê? Ora, tenho casa, comida, sala, quarto, cozinha, banheiro, computador, às vezes até piscina; não tomo chuva, não enfrento trânsito e, se achar uma bocó no capricho, recebo limpinhos os meus setecentos e pouco, pois a tonta vai recolher até o meu INSS, pra me “conservar”... E, vai que a patroa faz essa conta mixuruca que estou fazendo e me manda embora? Multa nela! Afinal, foi sem justa causa; eu bem que fiz tudo dentro da lei e a tonta quer me mandar embora? Nãnaninan-não! Conclusão: entro como doméstica, sem saber, ler, nem escrever, ganho hora extra, utilizo o computador dos patrões; se estiver calor, tomo banho de piscina todos dias e, se quiser, ainda faço curso à distância e sou paga por isso, com as “horas-extras”. Positivamente, a Dilma está certa- Brasil é a Pátria Educadora! Se olharmos pelo lado das domésticas; se olharmos “por outro lado” o Brasil, para os outros milhões das não-empregadas domésticas (em muito maior número!) o Brasil é sim e muito mais claro, Pátria DESEDUCADORA!

               Mas, é lógico, que isso se aplica, efetivamente, à maioria das mulheres brasileiras que aprenderam a ler e escrever. Lógico que não se aplica a uma certa mulher, lá de Rondônia , que já se inscreveu, sem passagem de volta, para “colonizar” Marte!

               Socorro, meu Deus; Help me Ets do meu Brasil e do mundo todo, me tirem daqui!